A Importância da Direção Espiritual na Vida Cristã Parte III – Plano de Vida

O ponto central da direção espiritual é nos ajudar a trilhar o caminho da imitação de Cristo no momento histórico em que vivemos, com as responsabilidades, idade, família, trabalho, saúde que temos. Portanto, trata-se de construir aquela bela casa que o Senhor deseja para nós, onde a intimidade com Deus gerará a vivência diária e encarnada da santidade. E isso é tarefa para toda a vida!

Assim como a vida natural necessita do alimento correto e na hora certa para se desenvolver bem, a vida espiritual também precisa de alimento, que é a oração, para progredir constantemente. Para conseguirmos este alimento na dose certa e na hora certa, faz-se imprescindível um plano de vida espiritual, ou seja, alguns atos de piedade, de acordo com a nossa maturidade espiritual, que devem ser cumpridos diariamente para que alcancemos uma maior intimidade com Deus e um maior conhecimento de nós mesmos.

Com certeza a alma encontrará nestes momentos de prática de piedade um conforto e um fortalecimento maiores para fazer de cada jornada uma oferta a Deus. Deste modo, Deus se vai colocando cada vez mais no centro de todos os acontecimentos da nossa vida.

Se temos um plano de vida espiritual, e o devemos ter, após falarmos com o diretor espiritual sobre aquilo que queremos, não pode faltar a reflexão sobre as dificuldades no cumprimento do plano de vida. Isso é importante porque o diretor espiritual nos ajudará a descobrir os motivos destes óbices e a ajustar aquilo que for necessário.

Este é um caminho longo, e, algumas vezes, se não na maioria das vezes, penoso; mas deve ser percorrido com sinceridade e docilidade de coração, pois o plano de vida, traçado na unção do Espírito Santo, é um meio eficaz de caminhar não com os próprios passos, mas na imitação dos passos de Jesus.

Pe. Max Celestino Sales de Almeida
Pároco


                                                                                              

Fonte: Fernández-Carvajal, Francisco. A quem pedir conselho? A prática da direção espiritual. São Paulo: Quadrante, 2002.